Sem a noite, sem o dia 
O meu meu corpo se arrepia 
Imagino esta a agonia 
De estar tão sozinha 
Amotinada por não ter mas alegria 
Vivo onde pássaros não anunciam o raiar do dia 
Moro nas trevas 
Moro na solidão, na solidão que há em meu coração 
Sem a noite,  sem o dia
Os meus olhos não brilham. 


Laura Santana